quarta-feira, 25 de abril de 2012

De Quem é o 25 de Abril?


Hoje, vivemos o 38º aniversário da Revolução de Abril, em que, pacificamente se acabou com uma ditadura cinzenta e fechada que nos sufocava há mais de 40 anos. Portanto, parabéns a todos os protagonistas, de todos os quadrantes políticos, que tiveram a ousadia de ajudar a construir a democracia e a liberdade em Portugal. Isso mesmo, as maiores conquistas de Abril – a possibilidade, o direito natural, aliás, do povo escolher quem o governa, e a liberdade, o espaço para respirar, para falar, para pensar, para criar, para viver sem ter aquele jugo por cima. Sem querer descurar outras conquistas de nível social que a esquerda tanto gosta de glorificar como as ‘grandes’ conquistas de Abril (algumas melhores outras piores), estas foram as maiores conquistas de Abril – a democracia e a liberdade – valores que, espero eu, sejam consensuais entre os meus leitores. 

No entanto, há quem seja simplesmente parvo. E Mário Soares e a Associação 25 de Abril foram-no. Não porque não foram às cerimónias – como Ramalho Eanes disse hoje, liberdade é isso, só vai quem quer. Mas pelo que disseram – o Governo actual põe em causa os valores de Abril, o Governo actual vendeu o melhor de Abril, o Governo actual até parece que põe em causa a democracia. O que essas pessoas não percebem é que o 25 de Abril não nos vinculou a uma via ideológica de esquerda mais ou menos democrática. Lá porque o preâmbulo ainda tem lá ‘caminho para o socialismo’, o preâmbulo não tem, felizmente, qualquer valor jurídico, e, felizmente, tem havido gente, tanto da esquerda como a direita, que tem tido o bom senso de varrer os artigos da constituição dignos de uma constituição de um Estado socialista. 

O 25 de Abril abriu-nos as portas à democracia, à escolha popular de rumos políticos, e à liberdade, à possibilidade de discutir e questionar o que antes não se podia. Assim, o facto de um Governo ser de direita não quer dizer que é contra os valores de Abril, o facto de um Governo não apostar tanto no sector público, e desinvestir na segurança social, etc. não é uma afronta aos valores de Abril, é uma opção ideológica, totalmente compatível com a democracia e totalmente válida, e que só é possível por causa de Abril. Porque os portugueses, o ano passado decidiram votar na direita. É assim que funciona a democracia.
Mário Soares e Vasco Lourenço – o 25 de Abril não é vosso. O 25 de Abril é de todos os que o fizeram e de todos os que o herdaram. É da esquerda e é da direita. É de todos os amantes da liberdade e é de todos os democratas. E lá porque as coisas não correram como vocês queriam, e lá porque agora o povo quis ser mais de direita, não podem fazer birra. O jogo democrático é assim, é a vontade das pessoas. E por mais que digam que o povo foi quase coagido a votar na direita por causa da crise e porque estava o Sócrates do outro lado e tal, foi essa a escolha, e numa verdadeira democracia, respeitam-se as escolhas. Não se faz como o Otelo que ameaça com golpes militares, não se fazem birras, como se viu hoje. O facto de sermos uma democracia tem destas coisas, às vezes o rumo muda. Daqui a 5 anos pode estar o PS no poder outra vez, e aí, Mário Soares, vais dizer muito pomposamente que sim, respeita os ideais de Abril. Mas não, o 25 de Abril não nos vincula para sempre a seguir políticas mais à esquerda, nem significa a ‘via para o socialismo’.

Ainda bem que os restos de socialismo vão desaparecendo da nossa constituição, porque uma constituição verdadeiramente democrática não obriga a uma via para o socialismo – é uma constituição aberta, com a possibilidade de várias vias. E lá porque agora estamos a seguir uma via diferente, não podemos embirrar. 25 de Abril não é só SNS, nem Segurança Social, nem Escola Pública. Sim, foram conquistas importantes feitas por escolha democrática depois do 25 de Abril. Mas porque antes dessas escolhas, já havia democracia e liberdade de expressão para as discutir.
25 de Abril é isto que eu estou a fazer – falar sem me preocupar em ter alguém a bater-me à porta. Poder nas próximas eleições recompensar ou castigar este Governo, enxovalhar no Mário Soares porque acho que ele foi parvo. E que eu saiba, este Governo não impede nada disso. E respeita, por conseguinte os valores de Abril.
25 de Abril Sempre, Fascismo Nunca Mais!